23:33

Graças ao Vinho que existe o Beijo

Postado por: Ivan Sgarabotto |

...Ainda em extase com a realização do grande sonho tinto, nosso pequeno aventureiro Stefano tratou de continuar suas peripécias pela eterna terra Napoleônica. Estava ele ainda em Bordeaux e, olhando a timetable da estação de trem Saint Jean, num lampejo açucarado decretou seu próximo destino.

- Monsieur, un billet s'il vous plaît. Allons nous!!!

O trem lentamente deixava a estação, com a companhia do Rio Garonne, quando Stefano começa a folhear uma revista aparentemente esquecida por um outro passageiro. Nosso enofriend, lá pelas tantas, se vê mergulhado em um relato de tempos já idos da nossa história, veramente interessante, e assim deixou levar-se...

Antes do início do Império Romano, época desvairada e sem limites desses latinos mucho locos, vivia-se a chamada República, período com muitas regras, normas e condutas sociais severas, sendo que para os homens: tudo e para as mulheres, o que? Nada..

Tempos difíceis para as romaninhas, e não era nem de votos ou qualquer outro direito político que estivesse sendo vetado ao dito sexo frágil. Elas não podiam beber vinho!! VINHO! A elas foi tolhido o direito de se deleitar com o nectar de Baco. Esses romanos, munidos dessa visão talibã de hoje, as proibiram de beber, direito esse somente reservado aos homens.

Nesse momento, Stefano ficou admirando a paisagem rumo ao sul, discutindo consigo mesmo se continuaria a ler esse relato, afinal como poderia o vinho ser objeto de tamanho ultraje? Resolveu continuar, com a certeza que no final o vilão se transformaria em herói.

Naquela Roma, por uma decisão do Senado, proibiu-se as mulheres de beber vinho em público, não poderiam se lambuzar em qualquer evento com seus amiguinhos de túnicas brancas a falar sobre os destinos da terra de Romulo e Remo. Mas convenhamos, regrinha fácil de quebrar essa, nénão? Deixa uma garrafinha de ladinho na bolsa e quando o guardinha nao estivesse olhando, glup! um golinho só pra dar um brilho.

Pois é, os caras conquistaram quase todo o mundo que se tinha notícia e não iam pensar nisso????

Pensaram, amigo... Pensaram.... Eles usavam o bafômetro. Mas como na verdade o bafômetro ainda não tinha sido inventado, a solução era cheirar a boquinha das romanas para garantir que nelas não havia qualquer vestígio de vinho. E assim eles faziam, os homens investigando bem de pertinho o hálito das mulheres, uma espertinha caça às transgressoras se formara e, com a evolução natural das coisas e o espírito latino em alta, para as bocas se tocaram foi rapidinho e dali que nasceu o beijo o primeiro beijo da história... Sim, o vinho foi o responsável pelo nascimento do beijo! Quem diria que além de todas as benesses do nosso campeão, o vinho nos presentearia com mais essa dádiva.

Stefano respirou aliviado, não poderia o vinho ser vilão dessa história, no fim das contas o vinho era o herói. Sem essa lei sobre o vinho, não haveria o beijo; de fato, há males que vem para o bem...

Fonte: EnoFriend
Foto: Divulgação

3 comentários.:

Drika disse...

Que cavanhaque, digo, que historia!

Natureza disse...

Baita cavan... história, meu!

Marco Mascarello disse...

Que bom que gostaram do texto. Tem muito mais em

http://enofriend.blogspot.com

Abs

Postar um comentário

Tua vez de falar agora!

Subscribe