Cheguei a uma idade onde as pessoas não param de me cobrar maturidade: dezoito anos. Trabalho, escola, família... é como se você fizesse dezoito anos e, automaticamente, se tornasse adulto, responsável, maturo e coerente. Sempre há alguém para me lembrar quantos anos tenho, mesmo que seja apenas para me elogiar. É que isso me irrita.

Estou convivendo com pessoas cada vez mais imaturas, pelo menos é essa a impressão que tenho. Na escola, em uma turma que deveria ser formada por alunos que trabalharam o dia inteiro e, portanto, supostamente responsáveis, me vejo praticamente isolada. Existem imaturos de todos os tipos, desde os que se apoiam nos pais para conseguir tudo o que precisam, aos que pensam ser grandes adultos, que de tanto criticar os atos dos outros imaturos, não percebem quão criança estão sendo.

Há pouco tempo atrás, tive de fazer meu título de eleitor. Como o prazo estava se esgotando, as filas estavam enormes, com alguns migrantes que precisavam atualizar sua zona eleitoral, jovens em busca da primeira via do seu título, vários deles, aliás, acompanhados por suas mães, como se eles não fossem capazes de fazer o documento, que não demora cinco minutos, sozinhos.

Seriam os adolescentes hoje, os adultos dependentes de sua própria família amanhã? Como pode alguns jovens se prenderem ao fato de que são dependentes dos pais e familiares? Aliás, o que é que define quando uma pessoa se torna adulta? Acredito que um documento dizendo em qual dia tu nasceu não fale muito sobre a maturidade de um ser humano, ainda mais os seres humanos que vemos hoje em dia; filhos que não se importam com a opinião e ordens dos pais, crianças trocando apelidos ofensivos desde pequenos, personalidades cada vez mais materialistas e consumistas, etc.

E de nada me importa ter dezoito anos agora e ser considerada adulta hoje pois, na minha primeira dívida fui socorrida e orientada pelos meus pais. Definitivamente, não quero ser uma adulta precoce, morando na residencia dos pais até um provável casamento. Terei independencia financeira, liberdade de escolhas e nenhum tipo de vínculo ou necessidade por parte da minha família, a não ser o relacionamento emocional.

2 comentários.:

Rufus :| disse...

O legal é que agora com essa idade tu já pode ser presa :D

adriane disse...

Essa foi uma das únicas coisas que me alegrou em fazer aniversário: não depender mais dos meus pais, e responder pelos meus atos.

:D

Postar um comentário

Tua vez de falar agora!

Subscribe